terça-feira, 25 de outubro de 2011

Fatos & manias

1- tenho ciumes da filha do Humberto Gessinguer.
2- meu primeiro e único furto foi uma foto de menino que gostava.
3- me vestia de bruxa e assustava as criancinhas da minha rua.
4- com 8 anos de idade cantava rock das aranhas, sem saber qual era o sentido.
5- tenho medo de escada rolante.
6- meu número da sorte é 5.
7- não gosto do número 4, (nunca deixo volume da tv, ou qualquer coisa).
8- não suporto gatos.
9- já liguei para minha mãe avisando que ia matar aula.
10- fiz um ano de teatro.
11- tenho mania que sempre beber água antes de comer qualquer coisa.
12- não gosto de andar no meio fio da calçada, sempre fico mais próximo da parede.
13- até hoje durmo agarrada com urso de pelúcia (Fred).
14- já tive mania de banho, hoje reduzi 2 por dia.
15- não gosto de palhaço.
16- eu sei andar de bicicleta sem as mão.
17- já discuti com uma pessoa na rua, porque vi ela jogando papel no chão.
18- eu tinha um poster no Felipe Dylon (disso me envergonho).
19- tenho pânico de agulha.
20- encontrei com o CPM 22 no hotel, e conheci o ônibus deles, (fotos e autógrafos).
21- planejava minha fuga quando era criança.
22- já fiquei uma semana sem poder andar.
23- meu maior medo foi passar na ponte do trem em Buri.
24- tenho medo de roda gigante.
25- brinquei de boneca até os 12 anos (e lembro da ultima vez).
26- conversava com plantas, e dava a cada uma um nome.
27- faço coleção de etiqueta de roupa.
28- tenho mania de incensos e velas.
29- pegava todas as saias da minha vó.
30- faço bolinha na mão pra não esquecer de algo importante.
31- nunca acreditei em papai noel, e nem coelhinho da páscoa.
32- fui 7 anos coroinha e 4 anos acólita na igreja.
33- sou apaixonada por lua.
34- todos os meus ursos tem nome.
35- já atropelei um fusca.
36- não suporto ver algo torto, ou gavetas e portas semi- abertas.
37- eu tinha medo de assistir o 'linha direta'.
38- já chorei muitas vezes por me achar feia.
39- fazia coleção de papel de carta.
40- eu gaguejo as vezes.
41- já fugi de batida da polícia.
42- sempre que chupo sorvete tem que ter chocolate.
43- já sai com um menino que conheci na internet.
44- eu brincava de "lutinha" com meu irmão.
45- meu suco preferido é abacaxi com hortelã.
46- não postos todos os meus textos no blog.
47- já dormi no ônibus e acordei em outra cidade.
48- geralmente as pessoas nunca sabem o que realmente estou sentindo.
49- já sai de madrugada desesperada pra comprar chocolate.
50- ganhei uma sexta de páscoa de um admirador secreto, que até hoje não sei quem era.
51- eu customizava minhas roupas e fazia meus brincos.
52- já passei um ano sem ficar com ninguém.
53- fui vegetariana por 2 meses.
54- quando era criança, amava cuidar de joaninhas.
55- não tenho vida antes das 10 horas da manhã.
56- treinei vôlei por 2 anos.
57- já dormi no banco da rodoviária de Buri.
58- meu sonho era ter nascido nos anos 50.
59- tive 6 meses aula de violão e não sei tocar nada.
60- toda vez que fico nervosa tenho crises de riso.

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

E tudo muda.

E de repente se você me ama ou não, não vai fazer diferença amanhã. Vai estar tudo igual e a vida vai seguir, assim incerta. Se eu me importo ou não, tanto faz. Nenhum sentimento consegue imobilizar o destino. O amor continua por aqui, na estante como recordação. Seremos eternos, então. 
Ele não sabe mais nada sobre mim. Não sabe que o aperto no meu peito diminuiu, que meu cabelo cresceu, que os meus olhos estão menos melancólicos. Ele não sabe quantos livros pude ler em algumas semanas. Não sabe quais são meus novos assuntos nem os filmes favoritos. Ele não sabe quantos amigos desapareceram desde que me desvencilhei da minha vida social intensa. Ele não sabe que eu nunca mais me atentei pra saudade. Que simplesmente deixei de pensar em tudo que me parecia instável. Que aprendi a não sobrecarregar meu coração, este órgão tão nobre. Ele não sabe que tenho estado tão só sem a devastadora sensação de me sentir sozinha. Ele não sabe que desde que não compartilhamos mais nada sobre nós, eu tive que me tornar minha melhor companhia, ele nem imagina que foi ele quem me ensinou esta alegria.



quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Melhor definição de uma maturidade estampada.

Hoje consigo aceitar que se não me faz bem, não é pra ser. Estou certa de que Deus fecha uma porta e abre duas janelas. Que é só me virar pro sol que não consigo ver a sombra. Que algumas pessoas são sim substituíveis. Que paixões vão e vem e que amor de verdade não termina! Hoje só minha consciência pode me condenar, e sem falsa modéstia, raramente isso acontece! Valorizo cada erro que cometi, pois embora pareça clichê, eles me fizeram crescer, ser quem sou, e valorizar ainda mais meus acertos. Não esqueço o passado, mas poucas coisas que passei eu gostaria de reviver. Tenho a sorte de poder dizer que hoje é melhor que ontem, e as pessoas que me cercam hoje são tão preciosas quanto muitas que ficaram pra trás por falta de opção, e mais do que todas que escolhi deixar pra trás! Quem não me merece não vai me ter por perto, e me sinto digna de ter por perto quem eu desejar ter. Minhas atitudes independem da atitude de outra pessoa, e nem sempre eu digo o que condiz. Espero ser fraca muitas vezes nessa vida, diante das tentações que ela me oferecer. Voltei a ser o que era há alguns anos, tive um reencontro comigo, com a diferença de que dessa vez não é qualquer pessoa que vai me desviar do que eu realmente quero. Não me anulo por mais ninguém, e hoje em dia, ninguém me inspira mais do que eu mesma!

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Nada a perder

Não me venha com "temos de conversar, aconteceu uma coisa". Uma coisa não simplesmente acontece, você precisa apertar um botão pra isso tudo "simplesmente acontecer". Duas pessoas não resolvem dar uma escapulida sem antes um bom flerte, alguma negociação e um punhado de telefonemas.
Todos passam por isso, todos vivem aquele fragmento lúcido de tempo em que é necessário decidir entre resistir ou fazer a coisa - esta é diferença entre nós. Duas pessoas resolveram acontecer. Você está entre elas e é isso que dói um pouco. Outro erro grostesco na construção das suas desculpas esfarrapadas: não há mais o que conversar. Vamos evitar olhares de lamentações, desprezos e resignações.
O que você quer? Absolvição? Aplausos? Ver nos meus olhos uma ponta de dor? Que eu desague um rio de lágrimas? Correção? Desculpa entrar na brincadeira sem julgar seu acontecimento como uma mera molecagem credora de castigo. Nunca fui sua mãe e você já não é mais criança, posso afirmar, apesar da sua ingenuidade em pensar que assim a coisa soaria mais honesta, a pior ingenuidade é achar-se esperto.
Não importam os pontos já somados ou o quanto você foi legal, seremos julgados eternamente por um único e isolado e grande erro. Sinto muito, é assim que funciona. Não existe justiça nisso que chamamos de "vida". Às vezes somos resumidos por aquilo que só fizemos uma vez, se acaso aquilo que só fizemos uma vez modificar alguém para sempre.
Aliás, foi melhor? Foi bom? Me diga, me conte, roteirize a cena pra mim, vamos lá, eu quero saber, entrei no seu jogo e estou dando uma oportunidade pra você se gabar, não desperdice, pegue, foi bom? Foi melhor? Espero no mínimo um sim, que tenha valido a pena, porque você pôs a perder algumas coisas que até ontem pareciam importantes. Defenda-se.
Sabe, sobre esse seu "amor" que você está dizendo, eu posso ouvir você dizer milhares de vezes, mas não significa que uma junção de palavras vai me fazer sentir como era antes, tudo outra vez, seria até bom se você ficasse quieto e deixasse a reputação do amor intacta. No futuro ouvirei de alguém que esse alguém me ama e quero ter um conceito melhor sobre isso.
Vamos fazer assim, sem traumas, sem dramas, sem dores, Sseria exagero dizer que você faz o mundo melhor, você não é pra tanto, mal dá pro gasto, maaas que fica tolerável, não posso negar. É que... já não estamos nos falando direito mesmo, então acho que preciso aproveitar que nós dois não somos uma aposta segura a longo prazo e que também não sou assim, tão louca por você.
Nada parece fazer diferença agora e tudo indica ser uma boa hora pra largar mão disso de qualquer forma, não é como se estivéssemos perdendo algo, eu vou dar uma volta, refrescar as ideias, quando eu voltar, não quero mais vê-lo aqui, se ainda estiver, então entenderei que sou eu quem deve sair. 


quinta-feira, 15 de setembro de 2011

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Magnetismo

Nessa noite solida
passei tanto frio.
Estava no mesmo quarto,
com as mesmas cobertas,
com portas e janelas trancadas,
esperando apenas uma palavra...
Mas aquele ar gelado insistia em perturbar,
seria a falta do seu carinho,
do meu rosto ao seu peito,
das minha mão estrelaçada a sua,
dos meus pés junto ao seus.
Ah se fosse simples,
se dependese só de mim a felicidade,
eu estaria bem melhor,com você junto a mim.
Se a saudade diminuisse a distância...
Minhas lagrimas escorreriam em seu peito!
E meu sorriso bobo no rosto te mostraria a certeza que te quero.
Se os sonhos fossem ordenados a se tornarem realidade,
você estaria, aquecendo esse meu frio.
E no fim, eu apenas amei por nos dois...
De todas as palavras,
que existe nesse mundo
nos escolhemos apenas uma...
"O Adeus"!!
 
 
 
( Bruna Fernanda - Messias Santos, 31/08/11)
 
 

terça-feira, 30 de agosto de 2011

Eu nunca vou entender.

Mais um domingo que você me liga. Igual faz a uns quatro ou cinco anos. Você beija a sua mãe depois do churrasco, dá um oi carinhoso e finalmente pensa sem culpa na sua ex, cheira sua camiseta pra ver se a coisa tá muito feia e descobre que sua vida está prestes a ficar vazia: chegou a hora de me ligar.
Você não sabe ao certo o que vê em mim, mas também não sabe ao certo o que não vê. Você sabe que pode ter uma mulher mais gostosa do que eu, mas por alguma razão prefere a gostosa garantida, aquela que ainda ri das suas piadas. Mesmo sendo as mesmas piadas há quatro ou cinco anos.
Aí você me liga, com aquele ar descompromissado e meigo de quem só quer ir no cinema com uma velha amiga. Eu não faço a menor idéia do que vejo em você, mas também não faço idéia do que não vejo. Eu posso ter um cara mais gostoso, como de fato já tive milhares de vezes. Mas por alguma razão prefiro suas piadas velhas e seu jeito homem de ser. Você é um idiota, uma criança, um bobo alegre, um deslumbrado, um chato. Mas você é homem. E talvez seja só por isso que eu ainda te aguente: você pode ter todos os defeitos do mundo, mais ainda é melhor do que o resto do mundo.
Aí a gente, sem saber ao certo o que está fazendo ali, mas sem lugar melhor para estar, acaba pulando o cinema que nunca existiu e indo direto ao assunto. O mesmo assunto de quatro ou cinco anos que, assim como as suas piadas, nunca cansam ou enjoam.
E aí acontece um fenômeno muito estranho comigo. Mesmo quando não é bom, mesmo quando cansado e egoísta você não espera por mim e vira pro lado pra dormir ou pra voltar à sua bolha egocêntrica de tudo o que é seu, eu sempre me apaixono por você. Todas as vezes que te vi, nesses últimos quatro ou cinco anos, eu sempre me apaixonei por você. Eu sempre estive pronta pra começar algo, pra tomar um café de verdade, pra passear de mãos dadas no claro, pra poder te apresentar ao sol sem receber mensagens de gente louca ou olhares curiosos, pra escutar uma piada nova. E você sempre ignorou esse fato, seguindo seu caminho que sempre é interrompido pelo vazio da sua camiseta fedendo a churrasco. Eu nunca vou entender. Eu nunca vou saber porque a vida é assim. Eu nunca vou entender porque a gente continua voltando pra casa querendo ser de alguém, ainda que a gente esteja um ao lado do outro. Eu nunca vou entender porque você é exatamente o que eu quero, eu sou exatamente o que você quer, mas as nossas exatidões não funcionam numa conta de mais.Eu só sei que agora eu vou tomar um banho, vou esfregar a bucha o mais forte possível na minha pele e vou me dizer pela milésima vez que essa foi a última vez que vou ficar sem entender nada. Mas aí, daqui uns dias, igual faz há uns cinco ou seis anos, você vai me ligar. Querendo pegar aquele cineminha, querendo me esconder como sempre, querendo me amar só enquanto você pode vulgarizar esse amor. Me querendo no escuro. E eu vou topar. Não porque seja uma idiota, não me dê valor ou não tenha nada melhor pra fazer. Apenas porque você me lembra o mistério da vida. Simplesmente porque é assim que a gente faz com a nossa própria existência: não entendemos nada, mas continuamos insistindo.

Tatiane Bernardi.

domingo, 21 de agosto de 2011


Em um infinito de possibilidades, eu escolho todas. Tenho uma sede que não cessa e uma dificuldade imensa em escolher apenas um destino. Tenho uma curiosidade que me deixa inquieta e uma vontade de percorrer todos os caminhos que não tem fim. Alimento a idéia fixa de desfrutar coisas que ainda nem sei e o sonho de habitar em lugares onde nunca estive. Tenho vontades para suprir e um monte de janelas para abrir. Sem saída, aceito minha condição restrita, mas faço ser intenso tudo que já conheci. Posso até ser limitada do lado de fora, mas as minhas recordações não me deixam mentir: aqui dentro o espaço é imenso.

Fernanda Gaona

terça-feira, 16 de agosto de 2011

"não chore menina, tudo vai acabar bem!"

Hoje quando sentei no ponto para esperar o ônibus, chorava sem parar, até que veio uma senhorinha e me deu um abraço tão forte, e disse: - "não chore menina, tudo vai acabar bem!" Foi então que me lembrei da minha mãe, nos meus dias assim ela sempre me colocava no colo e deixava eu chorar por horas, e era tão bom sentir suas mãos macias passando entre meus cabelos.
Não sou de chorar por qualquer coisa, choro para o que vale a pena chorar, sofro para o que vale a pena sofrer. E a tempos meu coração não doia tanto.
Quando estou assim, gosto da solidão, curto minha dor, choro até a cabeça doer, escrevo até não encontrar mais palavras, e devoro caixas e mais caixas de chocolate. Depois que essa fase passa, me sinto mais fortalecida, o sorriso sai com mais naturalidade e me da uma vontade de ser feliz, de buscar coisas novas.
As lágrimas que caem hoje, limpam o que eu não consigo ver, e é depois de dias como esses que tive força para conquistar tudo que tenho.



domingo, 14 de agosto de 2011

Meu herói

Estou aqui hoje para falar o meu super-herói, Francisco Anselmo, meu pai.

Jamais esquecerei da primeira vez que fui ao dentista, meu pai sentou comigo na cama, pego sua caixa de ferramentas tirou o alicate, e me mostrou como seria, e se eu me comportasse ganharia uma bola "grandona", do arroz com batada na gaveta do caminhão, das viagens, das vezes que ficava sentada no seu colo quando dirigia, quando me ensinava a solta pião, quando todas as noite me contava a história de uma menina que era muito sapeca (sempre soube que era eu, rs), quando ia me buscar na escola nos dias de chuva, quando andava na garupa da sua bicicleta, do chocolate que ficava ansiosa pra ganhar cada vez que chegava de viagem, das histórias de quando era pequeno, e das charadas que sempre me pegavam ¬¬', e do primeiro natal que passei sei ele e chorei por horas, de quando me ensinou a escutar Beatles e saber que sempre serão a melhor banda da história, das milhares de vezes que me levou na balada e foi me buscar de madruada, por me ensinar dirigir, e por olhar com os olhos brilhantes quando discutia política a altura.

Sei que apesar de ser uma mulher formada hoje, independente, sempre serei sua Quininha, a Bruninha do paiê, aquela que via seu pai o mais forte, o mais alto, e que podia salvar de qualquer "homem-do-saco", de qualquer bandido, de qualquer mal, e sinto assim até hoje, pois quando sento no seu colo e tenho aquele abraço apertado, me sinto completamente protegida.

Te amo!


sexta-feira, 22 de julho de 2011

Volte meu eu.

 E eu vasculho todas as gavetas, e armários, cada canto da casa, até de baixo da cama, numa tentativa desesperado de encontrar, ou melhor, reencontrar a Bruna racional, aquela Bruna que todos admiravam a sua força, e equilibrio emocional, cade, cade??
Aquela que jamais se desfazia de suas asas, que não acreditava em falsas promessas, aquela que não pensava em aperta o botão "foda-se" duas vezes, aquela que via o mundo com menos ilusões.
Parece hoje tudo tão mais difícil, mais longe, menos rock roll, estou tão down, estou tão confusa, sentindo falta de atitudes.
Estou em busca de respostas sem quais nem sei as perguntas, estou andando sem ao menos conhecer o caminho, estou acreditando em intensões sem ao menos saber se existem.
E eu acordo todos os dias na esperança de que ela volte, que volte com mais força, com mais sede de vida, com mais razão.

quinta-feira, 21 de julho de 2011

Caio Fernando Abreu falando para mim.

Acho que não precisava ser assim. É tudo tão forte, tão profundo, tão bonito, não precisava doer como dói. Eu não podia apenas sorrir quando me lembrasse de você? Mas acontece tipo assim: lembro do seu rosto, do seu abraço, do seu cheiro, do seu olhar, do seu beijo e começo a sorrir, é assim mesmo, automático, como se tivesse uma parte do meu cérebro que me fizesse por um instante a pessoa mais feliz do mundo, mas que só você, de algum modo, fosse capaz de ativar. Eu sei, é lindo. Mas logo em seguida, quando penso em quão longe você está sinto-me despedaçar por inteiro. Sabe a sensação de arrancar um doce de uma criança? Pois é, sou essa criança. E dói. Uma dor cujo único remédio é a sua presença. Então sigo assim, penso em você, sorrio, sofro e rezo, peço pra Deus cuidar da gente, amenizar essa dor e trazer logo a minha cura.

segunda-feira, 18 de julho de 2011


"E, mesmo assim, estarei sempre pronta para esquecer aqueles que me levaram a um abismo. E mais uma vez amarei. E mais uma vez direi que nunca amei tanto em toda a minha vida."

sábado, 16 de julho de 2011

Lispector

Uma das coisas que aprendi é que se deve viver apesar de.
Apesar de, se deve comer.
Apesar de, se deve amar.
Apesar de, se deve morrer.
Inclusive muitas vezes é o próprio 'apesar de' que nos empurra para a frente.

segunda-feira, 11 de julho de 2011



(...) Saber desistir. Abandonar ou não abandonar —
esta é muitas vezes a questão para um jogador.
A arte de abandonar não é ensinada a ninguém.
E está longe de ser rara a situação angustiosa ,
em que devo decidir se há algum sentido em prosseguir jogando.
Serei capaz de abandonar nobremente?
Ou sou daqueles que prosseguem teimosamente
esperando que aconteça alguma coisa?

[Lispector, Um sopro de vida].

quinta-feira, 7 de julho de 2011

Sonhe com aquilo que você quiser.


Sonhe com aquilo que você quiser.
Seja o que você quer ser,
porque você possui apenas uma vida e nela
só se tem uma chance
de fazer aquilo que quer.
Tenha felicidade bastante para fazê-la doce.
Dificuldades para fazê-la forte.
Tristeza para fazê-la humana.
E esperança suficiente para fazê-la feliz.
As pessoas mais felizes não têm as melhores coisas.
Elas sabem fazer o melhor das oportunidades
que aparecem em seus caminhos.
A felicidade aparece para aqueles que choram.
Para aqueles que se machucam.
Para aqueles que buscam e tentam sempre.
E para aqueles que reconhecem a importância das pessoas
que passam por suas vidas.


Clarice Lispector

quarta-feira, 1 de junho de 2011

Necessidade de desabafar

Errei algumas centenas de vezes enquanto procurava algo que eu sabia que não encontraria onde estava procurando, nem mesmo ao certo sabia o que era esse ‘algo’. Porém, no pensamento cínico do ato, ás vezes parece a decisão mais forte. Mais forte? Sim! Certa? Não.  Por um tempo acreditei que devíamos fazer tudo que queríamos no momento, que isso era “viver”, mas hoje sei, que antes de fazermos qualquer coisa, devemos pensar: “O que eu quero?” O prazer momentâneo ou a verdadeira felicidade?
 Aceito meus defeitos, admito minhas fraquezas, conheço meus limites, luto enquanto posso, sou persistente enquanto sei que sou capaz, supero meus obstáculos, aprendo com meus erros.
Amo minha vida e tudo que faz parte dela, amo muito as pessoas, mas aprendi que tenho que me amar mais que todos. Tenho esperança, mas não me iludo mais. Tenho medo, mas não deixo que ele mude meu caminho. Acredito que as pessoas mudam, mas sei que isso não depende só de mim. Acredito em Deus e em suas palavras. Prefiro ter poucos e bons amigos a ser cercada de amizades duvidosas. Caí? Levanto, sacudo a poeira e dou a volta por cima, sei que o mundo não  para pra eu me recuperar! Nada na vida é por acaso... Devemos aproveitar tudo da forma mais intensa possível, o tempo passa e as oportunidades podem não voltar. Pode acontecer o que for, por pior que seja o problema sempre tem uma solução, sempre tem um futuro muito melhor apenas nos esperando desprender do passado. Não me preocupo com que os outros dizem a meu respeito! Sei que posso chorar, mais vou brigar para sorrir e assim sou muitoo feliz graças ao meu Deus!
Algumas coisas voltam, outras não, e a única lição que eu tiro do meu passado, é que tudo que está lá, teve seu motivo pra não continuar comigo, a vida é muito curta pra sentir remorso por palavras não ditas ou coisas não feitas. E muito menos arrependimento por ter tido coragem o suficiente pra seguir meus próprios impulsos, então, por todas as saudades boas que eu sinto, agradeço a quem me deu essas lembranças.

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Pensamentos soltos.

E lá estava eu sentada na varanda de casa e quando dei por mim tinha tomado meia garrafa de vinho, vendo a chuva cair, e os pássaros se escondendo entre os galhos das árvores, estava perdidas nas horas e no dia, quando dei por mim percebi que fazem 7 dias que não saio de casa!
Foi então que parei para refletir na minha vida, é falta pouco para eu ir embora, só em falar me bate aquele frio na barriga, minhas mãos começam a suar, a ansiedade e o medo começam a me atingir, mas a vontade de ir me convence que tudo vai dar certo, e que vou ser muito feliz.
Não é que não gosto dessa cidade, só acho que não consigo me encaixar aqui, como se eu fosse uma peça sobrando no quebra-cabeça, 4 anos que parei no tempo, na verdade me sinto ainda aquela menina que chegou aqui com 15 anos.
Na real, cansei, é cansei de ter que agradar todos, posso ouvir tudo de todos, mas quieta, só de pensar em falar o que penso 'logo sou uma ovelha negra', e quantas vezes vou ter que gritar que detesto fofoca, não participo de complôs, e não me importo com que as pessoas fazem da vida delas, portanto que me deixem em paz.
Quero pessoas que se preocupem comigo, que me perguntem como estou, que me liguem de madrugada porque lembrou de algo que rimos, que não se importe com a distância, quero novas pessoas importantes na minha vida. Cansei de recadinhos lindos no orkut, o 'xau' no msn com aquele final "Te amo!"
Até aquelas que só lembram de você pra raxar o táxi no final da noite... E se esta com tanta saudade mesmo, creio que sabe meu endereço. (Y)
E não só disso, to cansada dos mesmo amores -dos mesmo beijos- e das mesmas cantadas.
O que o futuro me aguarda não sei, talvez eu vá escrever um novo texto reclamando, mas prefiro pensar que vou escrever de novo dizendo só coisas boas, só de pensar que não vou estar aqui, e não vou precisar todos os dias olhar pra pessoas que não tenho o menor prazer em ver, já é graças  u.u
Ah não sou mal, sou realista e sincera, talvez é isso que muitas pessoas não gostam de mim, não consigo ter amizades por interesse, e muito menos ser falsa!!
Voltando no meu futuro, só tenho a certeza de uma coisa, duas amigas que já são as novas pessoas importantes em minha vida, que sonham junto comigo em construir um futuro universitário, é, elas vão ter que me aturar, meu mal-humor e minhas maluquices, hahahaha...
Aaaaah me vem até um sorriso bobo no rosto, e um choro que seguro na garganta, e minha mãe fala: -Nada de choro menina, você vai é ser FELIZ, isso que importa!!